Os serviços de logística daqui a 5 anos

 

As expectativas dos consumidores relativamente à rapidez e baixo custo dos serviços de entregas tem vindo a aumentar. Isto faz com que os serviços de logística “last mile” sejam cada vez mais importantes e diferenciadores.

 

A entrega last mile é a movimentação da mercadoria de um centro de transporte para o seu destino final, geralmente o endereço residencial de um cliente. Com as vendas de e-commerce a rondar os US $ 2,300 mil milhões em todo o mundo, as compras on-line nos setores da alimentação, entretenimento e produtos de beleza, em particular, estão a impulsionar o crescimento.

 

Este dispendioso processo de last mile representa cerca de 53% dos custos de envio e é algo ineficiente dado que os transportadores precisam de fazer várias paragens para entregar pequenas quantidades. Apesar destes desafios, até mesmo os retalhistas mais pequenos devem procurar competir com os altos padrões estabelecidos por empresas globais como a Amazon, que tornaram viável a entrega no dia seguinte e mesmo a entrega no próprio dia.

 

Aqui estão algumas das opções last mile que deve considerar.

 

Localização

 

Algumas empresas distribuem stocks por pequenos armazéns regionais, selecionando os produtos mais populares e geralmente sazonais para encurtar o tempo necessário para as entregas last mile. Segundo Roy Hughes, vice-presidente executivo de operações de rede da Europa, a DHL Express, há algumas cidades muito dinâmicas, como Nova York e Pequim, que estão “a promover e impulsionar esta tendência de localização”.

Embora nem todas as PME possam manter os seus próprios armazéns de proximidade , empresas como a Darkstore estão a permitir que as marcas de comércio eletrónico depositem os seus stocks nas suas instalações de armazenamento. Essa oportunidade pode então equipar a sua empresa para fornecer uma entrega no mesmo dia para clientes próximos.

 

 

 

Crowdsourcing

 
Por sua vez, a localização elevou a procura por serviços de freight transportando mercadorias para os consumidores no dia em que os encomendaram. É nesse ponto que empresas de crowdsourcing como a Deliv da América ou Go-Jek da Ásia operam. Estendendo-se além do táxi e do transporte de alimentos, estes novos aplicativos de crowdsourcing fazem parcerias com motoristas locais, pré-qualificados, que podem realizar uma entrega da sua empresa. Isso permite que os retalhistas garantam que o consumidor final estará em casa quando a entrega chegar, simplificando o processo e eliminando o custo da segunda ou da terceira tentativa. Evita também ter que deixar as encomendas no exterior e estar sujeito a possíveis danos meteorológicos ou roubo – o que, por sua vez, poderá prejudicar a reputação da sua empresa.

Outras opções de muita procura incluem pontos de serviço e cacifos de armazenamento, capazes de aceitar uma entrega em nome do seu cliente em localizações urbanas. O Packstation da DHL, lançado em 2001, oferece uma rede automatizada para todo o dia em mais de 3.500 locais na Alemanha. O Amazon Locker fornece um serviço semelhante, operando atualmente em mais de 50 cidades.

 

 

Rotas Otimizadas

 
A solução de crowdsourcing porém ainda não é ideal para o transporte de encomendas premium. No entanto, tais entregas apresentam dificuldades específicas, com camiões que necessitam de encontrar um ponto de descarga adequado ou percorrer estradas mais pequenas no centro da cidade. Como as out-of-route miles correspondem a 3-10% da quilometragem total de um motorista, o planeamento de rotas ineficientes pode adicionar um custo oculto a serviços já caros.

Tais questões exigem portanto um melhor planeamento das rotas. A gestão de eCommerce da DHL descobriu que, em alguns mercados, os correios estavam gastando quase uma hora a planear as suas rotas manualmente e que estas são depois alteradas devido a atrasos ou trânsito. O processo foi agora otimizado através do uso de mapas capazes de atualizar as rotas em tempo real e melhorar a produtividade da last mile em 20-40%. À medida que as novas tecnologias continuam a desempenhar um papel cada vez maior na melhoria das entregas last mile, Mei Yee Pang, Chefe de Inovação de Soluções para Clientes e Inovação da DHL Asia Pacific reiterou que é vital agora adotar uma abordagem baseada em dados no atendimento aos clientes. ”

 

 

Smarter shipping

 
Com o objetivo de diminuir a margem de erro algumas empresas estão a explorar métodos alternativos de entrega, como drones e bots. A DHL realizou com sucesso um teste de três meses do seu Parcelopter na comunidade bávara de Reit im Winkl. Aqui, os utilizadores precisam apenas inserir a sua encomenda no Skyport designado para iniciar o envio automático, permitindo o envio para áreas com infraestrutura pouco desenvolvidas ou bloqueadas por barreiras naturais, como cursos de água e montanhas.

Por outro lado, veículos autónomos baseados em terra podem funcionar como armários de entrega móveis seguros, seguindo uma rota de entrega definida até à sua porta. Os clientes são notificados quando chegam e podem então recuperar as suas roupas, sofá ou curry de dentro do armário. Com estas inovações das entregas last mile, a McKinsey prevê um “mundo onde os veículos autónomos entregam 80% das encomendas”. Isso é suportado por pesquisas que sugerem que, longe do ceticismo da indústria em torno da adoção de novas tecnologia pelo consumidor, 60% são favoráveis ou indiferentes a entrega via drone.

 

The price problem

 
Embora estas novas soluções possam ter um preço inicial elevado, 23% dos consumidores estão dispostos a pagar pela entrega no mesmo dia, aumentando para 30% entre os consumidores mais jovens. À medida que a transição demográfica faz com que os consumidores mais jovens sejam o grupo dominante em termos de consumo, um atraso no recebimento de um envio é algo que é fundamental evitar. As empresas devem fazer ajustes graduais e procurar atender a estas expectativas mais altas, equilibrando custos com considerações de qualidade para o futuro.

 

 

The future of last mile

 

Enquanto o movimento geral é para o atendimento localizado e digital para melhorar as entregas last mile, esta indústria está em evolução contínua. Quando perguntado sobre como será a logística dentro de quinze anos, Lee Spratt, CEO da DHL eCommerce Americas, enfatizou a importância de “ser mais ágil em se ajustar às tendências do mercado, mantendo uma abertura para aprendizagem e reinvenção e promovendo uma nova flexibilidade como uma linha de base para o setor de transportes.



Se necessita de mais informação, contacte um especialista da DHL para obter ajuda personalizada.